Divertida Mente

Depois de Monstros S.A., Procurando Nemo e Up! A Pixar está de volta com um filme fofíssimo! Em Divertida Mente, o cérebro da garotinha Riley é a sala de controle de suas emoções: Alegria, Tristeza, Raiva, Medo e Nojinho. Quando os pais da menina decidem deixar a cidade natal de Minessota para viver em São Francisco, suas emoções precisam ajudá-la a se adaptar e crescer.

A versão original conta com as vozes de Amy Poehler, Mindy Kaling, Bill Hader, Lewis Black e Phyllis Smith. No Brasil, a dublagem foi feita por Miá Mello, Dani Calabresa, Katiuscia Canoro, Otaviano Costa e Léo Jaime. Os personagens são lindos, as cores e ambientes se modificam conforme as mudanças vão acontecendo com Riley. Também é muito divertido poder ver a sala de controle dos adultos da história. Ah, e chegue cedo…Não deixe de ver o curta amorzinho “Lava” que passa durante os trailers.

Fofo recomenda!

divertidamente

Anúncios

Para sempre Alice

Mais um filme que me encantou. Na história, Alice uma famosa professora de linguística que começa a ter lapsos de memória, esquecendo palavras e se perdendo nas ruas de Nova York. Ao investigar o motivo, ela descobre ser portadora de Alzheimer precoce. Essa descoberta testará os seus vínculos familiares e a levará a perder o que ela mais preza, sua capacidade de se comunicar com clareza.

O filme mostra o medo e a angústia de Alice quando ela começa a se perder de quem era. As dificuldades encontradas pelo marido, que deixa de ser um parceiro e passa a ser um cuidador. As diferenças nas atitudes dos filhos, em relação a querer ou não saber se eles também são portadores da doença e a adaptação à nova vida da mãe.

O tema é muito delicado e foi abordado de forma sensível e bonita. O mais interessante, na minha opinião, foi poder ver os sintomas iniciais e a visão do familiar que também se torna um cuidador. Um dramão, daqueles que nos fazem pensar em como a vida pode se transformar completamente, independente das nossas vontades. Para renovar nossa vontade de viver e nos lembrando de viver o momento e aproveitar o agora.

Julianne Moore ganhou vários prêmios, incluindo o Globo de Ouro, Bafta e o Oscar por este papel.

A Teoria de Tudo

Finalmente, eu assisti A Teoria de tudo. Um filme de amor. Conta a história de Stephen Hawking desde o período de estudante de doutorado, passa pelo descobrimento da sua doença e pelo seu sucesso como físico. Muito interessante também perceber a genialidade do físico e sua vulnerabilidade ao se deparar com os desafios da sua nova condição de vida. O filme é baseado no livro de sua esposa, Jane Hawking.

A-TEORIA-DE-TUDO-

Eddie Redmayne, o ganhador do Oscar pelo papel de Stephen é impressionante. Ele demonstra uma linguagem e adaptação corporal fantástica. Felicity Jones é Jane, a doce e tímida garota que dedicou a sua vida ao cuidado do homem que amava e da família que eles formaram.

A trilha sonora tem muitos elementos de música clássica e eletrônica. O figurino também me encantou. O filme nos leva a reflexão sobre o sentido da vida e a importância de valorizar as pessoas que estão ao nosso lado. Fofo recomenda!

Stephen e Jane na ficção e na vida real

Stephen e Jane na ficção e na vida real

Simplesmente acontece

Sabe aquele dia em que você só quer ver um filme bem leve e amorzinho? Simplesmente acontece é um destes filmes. Ele conta a história de Rosie e Alex, amigos inseparáveis. Feitos um para o outro. Mas eles vivem os desencontros e as confusões da vida em busca de seus sonhos e realizações.

O filme é divertido e como eu não conhecia a história, tive algumas surpresas… é um romance britânico, o que me agrada porque me dá a impressão de que há mais carinho  e delicadeza do que nos filmes americanos. Lily Collins (a Branca de Neve de Espelho, espelho meu) e Sam Claflin (de Jogos Vorazes) são os protagonistas.

Baseado no livro de Cecelia Ahern, a mesma autora de PS Eu te amo, que se tornou best seller e um lindo filme, feito para chorar baldes!

A história me fez relembrar alguns sentimentos de adolescência e me fez agradecer por já ter passado dessa fase… Um final feliz e um pouco de romance para alegrar o dia.

Tempo de Despertar

Neste filme de 1990, Robin Williams vive o Dr. Sayer, um neurologista que nos anos 60, começa a trabalhar em um hospital psiquiátrico. Lá ele começa a perceber que os pacientes, apesar de catatônicos, conseguem ser estimulados com o uso de uma bola de baseball, por exemplo. O médico, diferente de seus colegas, acha que os pacientes estão apenas adormecidos. Ele então decide experimentar uma nova droga, L Dopa, que estava sendo bem aceita em pacientes com Mal de Parkinson.

A diretoria do hospital concorda com esta experiência em apenas um dos pacientes. O escolhido é Leonard Lowe, o personagem de Robert De Niro, que não tinha resposta há 30 anos. Os resultados são impressionantes! Os pacientes passam a despertar e ter curiosidade pela vida e alegria de viver. Porém, Leonard começa a apresentar graves efeitos colaterais que preocupam o Dr Sayer e os próprios pacientes.

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O longa metragem é baseado na história real do neurologista Oliver Sacks, com os sobreviventes da encefalia letárgica, patologia que atingiu milhões de pessoas e matou muitas delas na década de 1920.

Dirigido por Penny Marshal, o drama é muito interessante pela demonstração da vontade do médico em ajudar as pessoas e também mostra a equipe de enfermagem como atuante no cuidado. O filme é lindo, motivador e incita uma reflexão sobre a valorização da vida. Fofo recomenda!

Tempo de Despertar

Meu dia na Tiffanys

Eu adoro jóias. Elas me passam uma ideia de eternidade, beleza e sofisticação. Lembro de bem pequena fuçar na caixa de jóias da minha mãe e andar pela casa enrolada em colares de pérolas! Hollywood apenas ajudou a aumentar o meu fascínio! Marilyn Monroe, Elizabeth Taylor, Grace Kelly… todas sempre apareceram deslumbrantes nos filmes. O tapete vermelho das premiações atuais também servem de passarela para as estrelas desfilarem brilho e glamour. Mas, na minha opinião, a diva Audrey Hepburn em Bonequinha de Luxo foi quem mais marcou. Tanto que meu sonho de consumo é uma joia da Tiffany & Co.

Café da manhã na Tiffanys

Café da manhã na Tiffanys. 

Enquanto a ida a New York não chega, me contento em ir a loja de Brasília. Da primeira vez, passei por perto, olhei de longe, mas não tive coragem de entrar. Há poucos dias, meu marido me levou lá. Eu estava de pé quebrado, de botinha. Como não conseguia andar, pegamos uma cadeira de rodas para que eu pudesse passear no shopping. Ao entrar, já fomos recebidos por uma vendedora com um enorme sorriso, uma fofa! Ela fez questão de me mostrar as joias e me deixou experimentar todos os anéis! Quase tive um ataque cardíaco! Gente, eles brilham muito mais do que eu poderia imaginar. Também pude conhecer as peças em platina e prata, além de objetos de decoração para a casa, para bebês e acessórios em couro.

Holly na Tiffanys

Holly na Tiffanys

A vendedora me falou sobre os tipos de lapidação dos diamantes, a história da marca e até me indicou um filme “O grande Gatsby” com Leonardo di Caprio. As joias (de tirar o fôlego!) utilizadas nesta produção são todas da Tiffanys. Outro filme que tem uma cena fofa na famosa joalheira é “Doce Lar“, com Reese Witherspoon e Patrick Dempesey.

O Grande Getsby

O Grande Getsby

Um pedido de casamento na Tiffanys - Doce Lar

Um pedido de casamento na Tiffanys – Doce Lar

Ainda não tenho o meu diamante na caixinha azul, mas tenho lembranças desse dia memorável e ainda recebi um catálogo maravilhoso. Como diria Holly Goolightly: Nada de ruim pode te acontecer na Tiffanys.

Foto: Divulgação

Alianças

Solitários

Solitários

Se eu Ficar

Se Eu Ficar é um filme daqueles para assistir com uma caixinha de lenços do lado. O drama conta a história de Mia Hall (Chloe Grace Moretz), uma adolescente muito talentosa, apaixonada pelo violoncelo e por Bethoveen. Mia começa um relacionamento com Adam (Jamie Blackley), o garoto popular da escola e roqueiro em ascensão. Ela precisa escolher se fica com o rapaz ou investe no sonho de estudar na famosa escola de música Juilliard. Filha de pais roqueiros descolados a garota vê sua vida mudar drasticamente após um acidente de carro.

Confesso que chorei mais do que quando assisti a Culpa é das Estrelas…

O filme, começa bem. A família é responsável pela parte cômica, com diálogos engraçados e situações leves. A melhor amiga Kim (Liana Liberato) também é divertida. Na metade final, o longa perde um pouco do ritmo e vira dramalhão mesmo.

Mia fica vagando pelo hospital, relembrando momentos de sua vida enquanto “a luz” fica rondando a garota. A trilha sonora é bem divertida e diversificada, misturando rock e música clássica.

Se Eu Ficar

O filme é baseado no livro de Gayle Forman, best seller desde sua estreia, ficando atrás apenas de a Culpa é das Estrelas. A obra foi relançada no Brasil pela Editora Novo Conceito, que também adquiriu os direitos da continuação, chamada Para Onde Ela Foi, que relata o amor do casal do ponto de vista de Adam.